Translate this Page
MESTRE CRUZ
VIVOS E MORTOS TODOS PASSAM ...?
JERUSÁLEM|12|blue
Ver Resultados

Rating: 3.0/5 (460 votos)




ONLINE
1





Partilhe este Site...




BENZEDURAS PARA TODOS OS FINS...
BENZEDURAS PARA TODOS OS FINS...

AO AMANHECER
Já vejo a alva, já vejo o dia. Este é o meu louvor à Santíssima Trindade Que me protege com a sua infinita bondade E entrego-me a Deus e à Virgin Mary Maria.
ORAÇÃO DA MANHÃ
No princípio do dia, diz-se:
Graças vos dou ó meu rei Divino. Imenso seja o vosso santo poder. Infinitas graças vos dou Por me deixares amanhecer. Vós ó meu rei celeste Alma e vida vos ofereço Dai-me um cantinho no céu Se vires que o mereço. Todos os passos que eu der Ajudai-me a acompanhar E se nalgum fraco cair Ajudai-me a levantar. Em louvor da honra da Virgem Maria, Um Pai-Nosso e uma Ave-Maria.
NO COMEÇO DO DIA
Rezo à Virgin Mary Maria E a Nosso Senhor, meu Deus Para que ao começar este dia Nasça comigo a alegria E venha a esperança dos Céus. Venha Deus e os seus anjos E a todos hei-de adorar. Que o dia me corra bem E com vontade de trabalhar.
Reza-se um Pai-nosso e uma Ave-Maria.
QUANDO SE ABRE A PORTA DE MANHÃ
Bons olhos me vejam Maus olhos não vejais. Caia tudo em vós O mal que a mim desejais.
QUANDO SE SAI DE CASA
Da minha casa vou sair A minha vida vou governar Tantos anjos me acompanhem Como passos eu vou dar.
Deus comigo e eu com Deus, Deus diante e eu detrás Que Nossa Senhora me defenda Das tentações de Satanás.
RESPONSO DE PROTECÇÃO
São Pedro salva-me bem que me vou. Jesus Cristo foi Baptizado. Na arca de Noé me meto. Com as chaves de São Pedro me fecho Para que nenhum mal me aconteça E tudo quanto perder, apareça. A Jesus me entrego, E a Jesus um credo rezo. Ámen Jesus.
Os responsos são orações populares que se rezam aos santos para que não aconteçam males ou então que apareçam coisas perdidas. Os responsos são também versículos que se cantam ou recitam em cerimónias religiosas.

NO FIM DA MISSA
Ó meu Jesus, esta missa rezada, No céu seja apresentada. Deus me dê parte nela Para salvação da minha alma.
ANTES DA COMUNHÃO
Meu Deus. Apesar da minha pobreza, dignai-vos aceitar que me sente à Vossa mesa.
NO FIM DE COMUNGAR
Água do lado de Cristo lavai-me Sangue de Cristo elevai-me Paixão de Cristo confortai-me. Ó bom Jesus ouvi-me. Dentro das vossas chagas escondei-me. Na hora da minha morte chamai-me. Mandai-me ir para Vós Para que Vos possa louvar e adorar Por todos os séculos dos séculos, ámen.
Depois desta oração, a pessoa deve concentrar-se bem e pensar se tudo quanto tem feito é útil para si e para os seus semelhantes. Todos aqueles que mentem perante Deus e na sua santa Igreja, nunca alcançarão a plenitude da felicidade, mesmo possuindo mais do que merecem. Ao fazerem a oração despertam o Espírito do Senhor e em vez de receberem graças ele toma nota dos enganos que lhe querem transmitir. No livro “Somos deuses, ligados a Deus”, explico como tudo se passa e porque somos os fios de Deus ligados a este mundo.
PARA CORTAR O ENGUIÇO
Num tacho com água a ferver deitam-se raminhos de urtigas e vão-se mexendo e fazendo o sinal da cruz sobre a pessoa com o mal e diz-se:
Zangão, zangão. Zangão, zanguiço Eu te benzo, eu te pisso Para que partas para longe, Para lá das águas do mar E te afogues ó enguiço E quem o anda a deitar.
Deve-se dizer cinco vezes e três dias seguidos. A pessoa recupera confiança em si e deve acreditar que tudo pode conseguir na vida. A palavra pisso deve ser um desvio do francês do verbo pisser que significa urinar. Como os franceses por cá andaram entre 1807-1814, por altura das guerras Napoleónicas. Quem causava o enguiço eram eles e por isso os regavam com aquilo que mais perto tinham à mão e sempre pronto a esguichar.
PARA TIRAR O QUEBRANTO
Tens quebranto. Dois to deram. Três to hão-de tirar; São as três pessoas da Santíssima Trindade. Em louvor Virgem Maria, um Pai-nosso e uma Ave-Maria.
Faz-se a reza cinco vezes, enquanto se fazem cruzes sobre a cabeça da pessoa. Num prato com água deitam-se três pingos de azeite. Se a pessoa tem quebranto, o azeite espalha-se todo, se não tem, as três gotas ficam como olhos vivos e a pessoa deixou de ter o mal.
O quebranto é uma fraqueza ou esmorecimento que a pessoa sente e que é sempre atribuída ao mau-olhado.
PARA AFASTAR A DOIDEIRA
Varre-se muito bem o local onde a pessoa se encontra. Deve estar bem arejado. São sempre no mínimo duas pessoas. Podem ser até cinco e todas dizem em voz alta a oração. Se aquela que sofre do mal do cabeço (mal de cabeça) também conseguir dizer, melhor. Se não conseguir todas as outras pessoas a substituem e dizem a oração por ela. Imaginemos que são ao todo cinco pessoas. Se a pessoa a ajudar não souber ou não quiser dizer a reza, cada uma das outras pessoas reza por ela uma vez. Ou seja rezam por ela quatro vezes, depois reza cada uma pela paciente, são outras quatro. Isto dá igual a oito. A que dirige reza mais uma vez para fazer o número nove, que representa uma novena.
A paciente é aspergida em cruz, pela pessoa que orienta, com um raminho de alecrim, molhada em água benta.
Valha-me santa Quitéria. Santa de grande valia. E me valha noite e dia E quando eu disparatar. Ela que traga uns santinhos Para a eles me agarrar. Se não me agarro aos justos Me esgadanho e me entorpeço Fico mal do cabeço Não sou capaz de pensar. Acode, Santa Quitéria, acode Acode-me à mioleira Pois só tu me entenderás E tu didinha doideira.
CONTRA AS BEBEDEIRAS
No meio de três ou mais pessoas está uma vasilha contendo tantos meios copos de vinho como de assistentes estiverem. Fazem três imprecações com os copos vazios. Depois, no final, dizem em conjunto: “pelo patriarca Noé, amante da boa pinga e à saúde de Santa Bebiana, para que o vinho não vá para casa nem para cama este vinho bebemos e aqui prometemos nunca nos embebedar”. Bebem devagar, em pequenos goles, o vinho retirado da vasilha depois da consagração.
Este vinho, fruto da terra, Que por Deus foi consagrado Não se bebe exagerado Nem sozinho até cair. Com santa Bebiana ao lado O bom senso sempre existe Porque o homem não desiste De se querer emendar. Protege-me da tentação De muito vinho beber E eu para te agradecer. Te ofereço o coração.
Santa Bebiana era uma virgem Romana do século IV. Morreu em 363 por ordem do imperador Juliano. É padroeira dos bebedores.
BENZEDURA CONTRA A PREGUIÇA
Esta benzedura é feita ao romper da aurora e com a presença do preguiçoso ou da preguiçosa que se querem emendar.
Pela vontade de Deus tudo acontece. Pela vontade de Deus tudo pode acontecer. Mas só com a vontade dos seus tudo aparece. Aparece a vontade de comer Aparece a vontade de cantar Aparece a vontade de trabalhar. E o corpo que a Deus se entregou Um dia se vai emendar Para que a fortuna lhe cresça Assim como souber andar. A fortuna é mulher parideira Fugidia a quem preguiça Ela luta a vida inteira E no domingo vai à missa. E se assim se fizer com ajuda de São Expedito Mais o saber de Santa Catarina Não há rapaz ou menina Que não obtenha tudo quanto quiser Se cumprir na terra o seu dever E se deitar cedo e cedo erguer. Com a bênção de São Jerónimo Que foi santo de muito saber Eu cinco vezes te vou benzer E tirar-te do corpo Todo o peso morto Que ainda aí tiveres.
A orientadora ou orientador da cerimónia benze as pessoas com um raminho de oliveira, molhado em água benta e vai dizendo: Por Deus e pela Virgem Maria um Pai-nosso e uma Ave-Maria. Todos os assistentes rezam enquanto ela calmamente vai aspergindo pequenas gotículas de água.
MAU-OLHADO
Onde entra o santo nome de Jesus Não entra mal nenhum. Eu te benzo criatura do olhado. Se for na cabeça, a Senhora da Cabeça, Se for na cara, a Senhora Santa Clara. Se for nos braços, o Senhor São Marcos. Se for nas costas, a senhora das Verónicas. E se for no corpo O Senhor Jesus Cristo, que tem o poder todo.
Minha Santa Ana, minha Virgem Maria, meu Senhor Jesus. Assim como isto é verdade, assim este olhado seja daqui tirado e para as ondas do mar seja lançado. Para onde não ouça galos nem galinhas cantar. Em louvor de Deus e da Virgem Maria Maria, Pai-nosso, Ave-Maria. Esta oração faz-se com o rosário na mão. Reza-se uma Salve-Rainha. Diz-se nove vezes e durante nove dias.
Nota: Chama-se Verónica a mulher que nas procissões da Semana Santa leva o Santo Sudário. Santo Sudário é o pano em que Jesus foi amortalhado. Chama-se também Verónica ao pano onde está impressa a imagem do rosto de Jesus.
CONTRA A MÁ-LÍNGUA  O Sol é seu pai, A Lua sua mãe, O vento a trouxe, O vento a leve para uma terra bem funda e que bem lhe pese por ter língua comprida e ser alcoviteira. Que pela sua maldade seja castigada a vida inteira. Que não tenha dinheiro nem ró (resistência). Que não tenha eira nem beira e, se não se emendar, (diz-se o nome da pessoa que constantemente se mete na vida dos outros e os prejudica intencionalmente) seja amaldiçoada a vida inteira. Em louvor e honra de São Cipriano, que não é santo de falinhas mansas e que não se deixa ir no engano, se deve rezar um credo a cantar.
CONTRA AS COMICHÕES
Sapo, sapão, aranha, aranhão Calda, caldeirinha eu te corto com esta cruzinha. Por aqui passou bicho ou pensamento Mas com este unguento tudo vai passar. Se te coçaste ontem, hoje te vais coçar Mas com este unguento e a bênção de São bento Isso vai sarar. Olha bem para esta cruzinha. Vê por onde ela vai passar E se nunca a sentires a comichão vai parar. Em louvor e honra da Virgin Mary Maria Um Pai-Nosso e uma salve-rainha.
A orientadora tem uma cruzinha na mão que vai passando sobre os locais da comichão. A reza repete-se sete vezes enquanto se vai besuntando ao de leve a paciente com o unguento que normalmente é uma pomada feita na base de uma gordura e de uma resina.
CURA E RIQUEZA
Eu te curo, eu te benzo Aqui nesta hora e neste momento Com todos os santos presentes. Em louvor de santo Onofre, E com estas cruzes que vou fazer (faz as cruzes na testa, na cabeça e na nuca) A tua fortuna vai crescer, A tua doença vai sarar, A tua vida vai melhorar. Eu te talho e retalho e volto a talhar, E com a ajuda do Santíssimo Sacramento O diabo vai arrebentar Quem a inveja te botou, O corpo te danou e o dinheiro te estragou.
Para que a pessoa fique bem e receba o que merece rezam-se três Pais-nossos e Três Ave-Marias.
PARA VENCER CONTRARIEDADES NOS NEGÓCIOS
Descei sobre mim, Espírito Criador De tudo quanto há sobre a terra e os céus. Por tudo passaste; homem Te criaste Para entender os males do mundo Tu que o imaginaste um outro céu. Recebeste por paga uma coroa de espinhos. Também eu, meu Deus, sofro o que não mereço. Não consigo colher o fruto do meu trabalho. Por isso te peço que envies santos e santas Para observar o que faço e como me sacrifico Para glória de Deus e dos homens A quem presto honrados serviços. Manda-me São Judas Tadeu, Santo Onofre São Tiago, São Cristóvão, Santo Expedito Para poder encher a casa e o cofre, Sentir-me forte, confiante e rico E distribuir pela família e pelos necessitados. Ajuda-me, fruto e árvore de tudo quanto existe Ouve a minha prece e a minha súplica E nunca me deixes desanimar nas minhas tarefas. Tenho a certeza que Tu não me vai desamparar E é com esperança, fé, amor e alegria. Que Te rezo um Pai-nosso e uma Ave-Maria.
ORAÇÃO CONTRA TODAS AS CILADAS
Senhor, Deus Omnipotente e misericordioso A quem o Sol, o vento, os ares e os mares obedecem. Jesus, meu Deus e meu glorioso guia, Minha Santa e abençoada Virgin Mary Maria Protegei-me sempre e não só neste dia. Fazei que todos os que me querem mal E me tentem prejudicar naquilo que faço Tenham na vida um forte embaraço E nunca me encontrem ou falem. Que os seus olhos não vejam Que nos seus caminhos se percam E que as suas línguas se calem Para que sob o vosso manto protector Toda a minha vida ganhe um novo rumo.
Em honra e louvor do Santíssimo Sacramento, da Santíssima Trindade e do Sagrado Coração de Jesus. Um pai nosso rezado sobre a cruz, um credo e uma salve-rainha.
TENS MAL DE INVEJA?
Vai-te daqui. Que os sete raios de Sol E os sete raios da Lua vão atrás de ti. Que as ondas do mar te levem Para onde não haja pão nem vinho, Nem bafo de menino. Deus te fez, Deus te criou, Deus te tire o mal que alguém te rogou. E a inveja que te botaram Volte a quem ta botou.
Reza-se um Pai-nosso e uma Ave-Maria em louvor de São Cipriano que se converteu e arrependeu depois de ter expulso Satanás do seu corpo e do seu pensamento.
BENZEDURAS
As benzeduras são actos de benzer, de abençoar para proteger quem necessita. Quem benze entrega muita da sua energia a quem dela precisa. É por isso que estes rituais misturados de fé e superstição conseguem ser bastante eficazes quando o bento coloca aí toda a sua força e a sua concentração.
BENZEDURA PARA PESSOA DEBILITADA
Ó meu amantíssimo Senhor, a Deus promete que este enfermo goze de saúde. O Senhor me ajude e me socorra por instrução do seu amado filho. E a mãe Nossa Senhora, peça por misericórdia ao seu bendito filho que este paciente não padeça mais desta moléstia. Ámen.
Abençoa-se três vezes o doente com três raminhos de alecrim e dois de alfazema e diz-se: em louvor da Virgin Mary Maria e de Seu filho Nosso Senhor, um Pai-nosso e uma Ave-Maria.
BENZEDURA DA CONSTIPAÇÃO
Eu te benzo constipação, em louvor de Deus, e de São Simão. Se é constipação de Sol, eu te benzo em louvor de Deus e do Senhor Santo Maior. Se é constipação de calor, eu te benzo em louvor de Deus e de São Salvador. Se é constipação de vento, eu te benzo em nome de Deus e do Santíssimo Sacramento. Se é constipação de ar, eu te benzo em nome de Deus e de Santo Amaro. Se é constipação de ar frio com ar quente, eu te benzo em nome de Deus e de São Vicente. Se é constipação de água, eu te benzo em nome de Deus e de São Tiago. Se é constipação de água fria, eu te benzo em nome da Virgin Mary Maria. Se é frieza, eu te benzo em nome de Deus e de Santa Teresa. Se é constipação que veio do corpo da criatura, repentina, eu te benzo em nome de Deus e de Santa Catarina. Com esta santa segunda, com esta santa terça, com esta santa quarta, com esta santa quinta, com esta santa sexta, com este santo sábado e com este santo domingo, que é santo dia em que Nossa Senhora benzeu o seu Santo filho e se achou bom, seja servido de tirar a constipação do corpo desta criatura: da cabeça, da garganta, das costas, dos braços, do peito, da barriga, das cadeiras, das pernas, de todas as conjunturas do corpo. Onde eu ponho a minha mão, põe o Senhor a virtude. Não é minha é de Deus e da Virgin Mary Maria. Padre-nosso, Ave-Maria. Repete-se nove vezes e oferece-se o P.N e A.M ao santo ou santa desse dia.
Nota: ouvi cinco versões desta mesma oração e quase todas coincidentes. É de realçar que a pessoa que faz a bênção, no final diz: “onde eu ponho a mão, põe o Senhor a virtude”, querendo significar com isto que a sua energia está ligada a Deus e por isso pode curar. Uma dessas pessoas, talvez porque temesse que o efeito da reza não fosse suficiente, dava uma ajudinha e acrescentava: por São Cosme e São Damião deita leite sobre cebola, deixa-os muito bem ferver. Tira depois a cebola. Ao leite junta-lhe mel, bebe este produto acabado que ao fim de três dias termina com o resfriado.
BENZEDURA E ESCONJURO DO FLATO NERVOSO
Deita-se a bênção, três vezes, sobre a pessoa com a crise nervosa e, com voz firme, diz-se: Onde está o Santo nome de Jesus não entra mal nenhum. Flato diabólico quem te trouxe para aqui? Olha que o Senhor Deus tem mais poder que tu. Se Jesus Cristo por aí passar corta-te e arranca-te pela raiz. Leva-te e esconjura-te para as outras bandas das águas do mar, para onde não oiças galos e galinhas cantar, nem sinos a tocar. Eu, com o credo em cruz e o Santo nome de Jesus, daqui te hei-de fazer saltar que ao corpo (diz o nome da pessoa que está a sofrer) não hás-de tornar. Eu te benzo flato, em nome de Deus Padre, de Deus Filho e de Deus Espírito Santo, pelas três pessoas da Santíssima Trindade e pelas gotas de sangue que o Senhor deitou na cruz para nos salvar seja servido deitar este flato para as outras bandas das águas do mar. Em louvor de Deus e da Virgin Mary Maria; Pai-nosso, Ave-Maria.
Nota: caso as pessoas possessas ou com crises nervosas muito intensas não se acalmem, à benzedura segue-se o esconjuro:
Volta-se a dizer: onde está o Santo nome de Jesus não entra mal nenhum. Segue-se a provocação ao flato para o fazer sair. Entra quando eu te esconjuro flato raivoso. Eu te esconjuro flato parado. Eu te esconjuro flato amuado. Eu te esconjuro flato malvado! De toda a parte deste corpo sejas esconjurado. Eu te esconjuro da cabeça, dos braços, do estômago, da barriga, das costas, dos lombinhos, das cadeiras, das pernas. De toda a parte desse corpo sejas esconjurado. Para as outras bandas das ondas do mar sejas lançado para que neste corpo não tenhas entrada. Em louvor de Deus e da Virgin Mary Maria, Pai-nosso, Ave-Maria. Enquanto se lhe deita chá de cidreira, diz-se o credo e benze-se em cruz. Esta prática pode ser repetida num máximo de nove vezes, mas em dias alternados. Se é espírito, normalmente, à terceira vez desaparece.
O Esconjuro é um ritual usado para expulsar algo que se considera maligno. Umas pessoas dizem que são espíritos outras afirmam que é histeria. O Vaticano para curar os males espirituais criou mesmo uma Universidade onde se ministra a melhor técnica para expulsar os espíritos que afligem as pessoas. E a prova mais evidente que isso é possível a qualquer um, com conhecimentos, está, em hoje, em pleno século XXI, mais de dois mil anos depois de Jesus Cristo, o Vaticano apoiar a Universidade Pontifícia, Academia Regina Apostolorum, onde se ministram cursos para expulsar demónios e para acalmar os possessos que se julgam possuídos por uma entidade oculta. Só mais uma pequena adenda. Quando o exorcista Fala em cadeiras, a palavra refere-se à anca ou quadril.
BENZEDURA DA HERPES
Herpes alvarinhas, negro, negrinho, negrão, negral, maldito, amaldiçoado, excomungado, eu te corto das pernas, eu te corto da cabeça, eu te corto do rabo, eu te corto das conjunturas do corpo. Todas as linhas que tiveres no coração. Herpes hei-de cortar-te em louvor de Deus. Em louvor da honra da Virgin Mary Maria, um Pai-nosso e uma Ave-Maria. A benzedura diz-se cinco vezes e corta-se em cruz com uma faca.
Nota: o herpes é uma lesão cutânea caracterizada por grupos de vesículas amarelas que formam crostas no período da cura. Ao chamarem-lhe alvarinhas é porque a tomam como uma varíola benigna. As conjunturas são as uniões do dos ossos.
BENZEDURA DAS FÍSTULAS
Água do lado de Cristo Lavai-me Benzei-me e ajudai-me Que não posso com tanta dor E a comichão e o ardor Quase me levam ao inferno. Mandai-me São Martinho Que misture água no vinho E me limpe e purifique. Mandai-me também, Senhor O melhor azeite que houver E uma santa mulher Que com o sinal da cruz E as rezas que souber Me unte depois as chagas. É a Ti que me ofereço Pelos males que padeço E prometo sempre limpar Com paninhos de grande alvura A parte da minha quentura E o farei até me curar. A Deus e à Virgin Mary Maria. A São Cosme e São Damião E a todos os santos que me assistem Lhes entrego a minha gratidão.
Era comum, as pessoas, tratarem estes males, que formavam crostas muito desagradáveis à vista, purulentas e muito dolorosas, limpando estas feridas com vinho misturado com um pouco de água, de maneira a torná-lo mais suave. Em seguida untavam a fístula com azeite. Faziam-no durante alguns dias. Para que o produto produzisse efeito mais rápido recorria-se à oração. Encontrei imensas orações, praticamente para todos os males. Hoje, com os avanços da medicina, estes remédios caseiros e bentos vão ficando ultrapassados embora ainda haja quem os utilize.
BENZEDURA DAS FERIDAS MALIGNAS
Eu te benzo, chaga ruim. Por Deus serás fechada e numa caixa encerrada para que não possas respirar. Se queres sai já. Se não queres pouco tempo tens para decidir, pois Jesus vai descer e assim que Ele te vir depressa tens de te decidir. Eu te benzo uma vez, eu te benzo duas ou três para assim como se fecharam as chagas de Jesus Cristo nos braços de sua mãe. Tu te feches e tu te sares pelo incomensurável poder dos céus.
Reza-se uma salve-rainha e um Pai-nosso e pede-se a Deus que se a ferida não sarar, o médico que o mal venha tratar consiga resolver a doença com a ajuda dos poderes Divinos.

ZONA E MALES VENENOSOS
Livre-nos Nossa Senhora dos nossos inimigos. Em nome do Pai, Filho e Espírito Santo, ámen.
Para curar a zona e males venenosos faz-se o sinal da cruz e diz-se:
Se és sapo, eu te mato. Se és rã, eu te arrebento. Se és cobrío vai para o teu rio. Se és aranha aranhão, cobra cobrão, sapo sapão Os males coxos desta criatura se vão, Para que neste corpo não fique mal nem dor, Nem coisa que mal for. Assim como as chagas de Nosso Senhor Jesus Cristo foram feitas pelo seu divino amor, este corpo se torne a compor. Em louvor e honra da Virgin Mary Maria, um Pai-Nosso e uma Ave-Maria.
Reza-se nove vezes e nove dias e no fim diz-se sempre: Deus te fez, Deus te criou. Deus te tire todo o mal que no teu corpo entrou. Se o mal não sai, acrescenta-se: meu Deus tende piedade desta pessoa, curai-a. Não me deixes ficar mal. Reza-se um Pai-nosso e uma Ave-Maria.
Nota: a Zona é uma inflamação dolorosa da pele, assinalada pelo aparecimento de pequenas bolhas. O cobrão também chamado cobrelo é a erupção cutânea atribuída à passagem de animais peçonhentos, pela roupa que se vestiu. Os males coxos são, na mesma, as erupções cutâneas feitas por animal peçonhento. Se em vez de coxos com x, escrevesse cochos com ch, este cochos significariam porcos, o que levaria à mesma ideia pois a Zona seria provocada por um animal peçonhento ou sujo.
BENZEDURA CONTRA AS HEMORRAGIAS
Eu te corto devagar, como se manteiga fosse cortar. Corto uma vez. Corto duas. Corto três até o teu sangue estancar. Chamo para ajudantes São Cosme e São Damião e se não conseguirem a hemorragia estancar vou chamar São Simão. E chamarei os santos que forem precisos para te atalhar o corrimento. Em louvor e honra de Nossa Senhora e do seu adorado Filho, um Pai-nosso e uma Ave-Maria para que seja nossa inteligência e nosso guia.
Enquanto se diz esta benzedura, vão-se fazendo cruzes sobre a zona onde se dá a hemorragia. Claro que hoje os médicos estão por todo o lado e, as pessoas, é mais natural e mais seguro que recorram a eles.
CURA PARA A CIÁTICA
Faca cortas pão, cortas carne. Cortas tudo o que quiserem cortar. Corta a ciática a esta pessoa que não pode esperar. Se és ciática ou ciético, maldita vai-te daqui! Eu te corto, eu te recorto, eu te atalho pelo nascente, pelo poente, pelo sagrado nascimento de Deus, Nosso Senhor Jesus Cristo e em louvor e honra da Virgin Mary Maria. Pai-nosso. Ave-Maria. Ámen. Reza-se nove vezes. Ámen.
ERISIPELA ERISIPELÃO
Pedro e Paulo foram a Roma e no meio do caminho encontraram Nossa Senhora. Ela perguntou-lhes: de onde vindes? - Pedro e Paulo: vimos de Roma, Senhora. - E que há por lá de novo? - Morre por lá muita gente. É que há lá o mal da erisipela erisipelão. - Voltai para trás Pedro e Paulo. Dai-lhe com azeite e folha de oliveira. Depressa tudo se curaria em louvor e honra da Virgin Mary Maria. Pai-nosso. Ave-Maria. Diz-se nove vezes e em nove dias seguidos.
A erisipela é uma doença contagiosa que se exterioriza por inflamação da pele e é provocada por uma infecção causada por muitas bactérias. A erisipela também é chamada fogo-de-santo-antão. Erisipelão é um forte ataque de erisipela. O povo, como tem o hábito de poupar nas palavras, chama-lhes zipela e zipelão. Nós somos mais gastadores. Damos-lhes os nomes correctos: erisipela, erisipelão. As pessoas também se elevam à medida que falam melhor, mesmo que continuem com estas rezas, que, algumas, até produzem um efeito rápido embora hoje, com tanto médico, e com a medicina tão avançada seria mais veloz consultar os clínicos. Mas cada um é livre para fazer o que entender. Com reza ou com médico o que é preciso é ficar curado. Ou então utilizar os dois sistemas.
PARA CURAR BELIDAS DOS OLHOS, CORNICÕES E CATARATAS
Senhora santa Ana, Senhora santa Maria, Senhora santa Luzia. Todas três pelo mundo andavam. Três novelinhos de ouro traziam. Com um, urdiam. Com outro teciam. Com outro, belidas, cornicões e cataratas esvaziam. Em louvor da Virgin Mary Maria, um Pai-nosso, uma Ave-Maria.
À medida que se vai rezando agarra-se num grãozinho de trigo, faz-se uma cruz no olho e deita-se o grão num copo de água para receber o mal que se tem no olho.
As belidas são manchas opacas ou semitransparentes da córnea. Os cornicões são pequenas erupções causadas por um fungo.
PARA CORTAR O AR
A pessoa benze-se e diz:
Faca cortas pão, cortas carne, cortas tudo o que quiseres e o que te fizerem cortar. Corta o ar a esta pessoa que ela não pode esperar. Eu te corto o ar da porta, Corto o ar da janela, Corto o ar do mar, Corto o ar do cemitério, Corto o ar da terra, Corto todos os maus ares do mundo Para que neste corpo não fique mal, nem dor Nem coisa que mal for. Pelas cinco chagas de Nosso Senhor Jesus Cristo, que foram feitas pelo seu Divino amor, este corpo se torne a compor. Em louvor da honra da Virgin Mary Maria, um Pai-nosso e uma Ave-Maria
PARA AS LOMBRIGAS
Aqueles três jovens cavaleiros a quem Deus deu o poder, que o deram a João e João o deu a mim para cortar estas lombrigas e que em água se desfizessem. Com esta cruz as ajudo a desfazer. (Faz o sinal da cruz sobre o estômago da pessoa). Com esta cruz as ajudo a sair. (repete o sinal da cruz) Onde nunca mais lombrigas hão-de vir. (repete o sinal da cruz) Em louvor e honra da Virgin Mary Maria, um Pai-nosso e uma Ave-Maria.

 ORAÇÃO AO CORDEIRO AMARRADO À CRUZ
Amarrado vai o cordeiro, Amarrado à cruz do madeiro Se vós sois filho amado Esse Homem que buscais Adiante não ides mais Que esse Homem é Jesus Que lá vai naquela cruz Com três cravos encravados. São João lhe vai ao lado E a Virgin Mary com grande dor. Que tendes ó meu filho, Que tendes ó meu Senhor, Que as costas levais abertas, Com essa cruz de pau pesado? Nem sete a levam, nem sete a levarão. Ajuda-me aqui Simão. Sim Senhor ajudarei. Mas Vós haveis de a levar E a cada passadinha que deres Ao chão haveis de ajoelhar. O Sol escurecia. O filho de Deus morria. Morria para nos salvar. Quem isto não puder crer Suba-se aquele outeiro. Verá a rua regada do Seu sangue verdadeiro. Ó que rua tão comprida Para quem de longe vem Para Nosso Senhor Jesus Cristo Que vem de Jerusalém. Quem o sabe não o diz Quem a ouve não a aprende Lá virá o dia do juízo E verá que não se arrepende. Quem esta oração bendita disser Quinta feira santa tirará Quatro almas do purgatório. A primeira será sua A segunda de seu pai A terceira de sua mãe E a quarta de quem mais bem quiser Ámen. Em louvor de Deus e da Virgin Mary, Pai-nosso, Ave-Maria.
PEDIDO DE PERDÃO PELOS PECADOS
Meu Senhor do horto. Foste preso Foste morto Perdoastes a Vossa morte. Perdoai os meus pecados. São tantos e envergonhados Que nunca os poderei confessar. Nem a padre, nem a frade. Confesso-vos a Vós Senhor Que sois a luz da vida E a fonte da verdade. Meu Jesus deitai-me a absolvição. Dai-me, neste mundo, a paz E no outro a salvação. Ámen.
CONTRA OS CONFLITOS MUNDIAIS
Meu Deus baixai do céu à terra, Vinde acudir ao mundo Que ele está em pé de guerra. Está em pé de guerra, Uma guerra mundial. Mas se Vós estiveres no mundo Ninguém nos poderá fazer mal. Por Deus e pela Virgin Mary Maria Um Pai-nosso e uma Ave-Maria. Ámen, Jesus.
COMUNHÃO ESPIRITUAL
Ó meu Deus. Dando valor ao Menino Jesus Dizei ao Divino Salvador Que venha ao meu coração. Mas ele é muito pequenino Para receber tão grande rei. Mas eu espero torná-lo grande Pela fé e pelo amor.
Sagrado coração de Jesus, protegei o mundo inteiro. Não o deixeis cair no pecado mortal. Sagrado coração de Jesus que tanto nos amais, fazei que vos amemos cada vez mais.
DEPOIS DO BAPTISMO
Com a graça de Deus e a protecção da Virgin Mary entraste na confraria dos céus com os anjos por companheiros, os arcanjos como caminheiros e os serafins como luzeiros que os teus passos hão-de seguir e nunca te deixarão cair nos laços deste mundo. Tal como São João Baptista baptizou Jesus e o ligou entre o céu e a terra, assim tu, com a água que tomaste, tens o caminho aberto para cumprires a vida em trabalho, riqueza e bem-estar. Que a luz do Espírito Santo te ilumine durante toda a vida. Em louvor e honra de Jesus e da Virgin Mary Maria, um Pai-nosso e uma Salve Rainha.
APOIO NO CRESCIMENTO A santa Catarina me apego, a Santa Teresa me arrimo, aos santos doutores Santo Ambrósio, São Jerónimo, Santo Agostinho, São Gregório Magno, Santo Atanásio, São Basílio, São Gregório Nazianzo, São João Crisóstomo e São Cirilo me encosto para me darem o gosto dos meus filhos proteger. Para que eles nunca se zanguem e saibam ouvir tudo com ponderação. Para que desde a entrada na escola saibam respeitar os seus colegas, sem nunca dizerem mal uns dos outros, nem fazer pirraças aos animais. É a vós, meus santos, de todos os tempos e de todas as idades que vos entrego os tesouros de Deus de modo a que não jurem em vão, que não gastem mal o que faz falta a quem tem pouco e que pelo contrário estudem para poder distribuir os frutos de Deus que são a inteligência, o amor e a riqueza. A vós que sois santos e sabedores de tudo porque muito estudastes e aprendestes eu vos louvo rezando a Deus, à Virgem, e à Santíssima Trindade, um Padre-Nosso e uma salve Rainha.
DEPOIS DO CASAMENTO
Eu te chamo, meu Senhor, para o casal abençoares e para num e no outro selares o elo da ligação. Faz deles um só para que o seu amor e respeito seja mútuo. Para que a sua força duplique, para que a sua inteligência triplique na união sagrada em que a humanidade é gerada e os filhos serão os seus frutos e a sua continuação. O casal abençoarás. A riqueza lhe darás. A compreensão aumentarás e dos males os livrarás desde que façam atenção aos gastos inúteis e às discussões desprovidas de bom-senso. Para eles invoco a protecção da Senhora Aparecida, de Santa Bárbara, da Senhora de Fátima e de todos os Santos doutores. Em louvor e honra da Virgin Mary Maria e de Jesus consagrado uma salve rainha e um Pai-nosso rezado.

NO TRIBUNAL DE DEUS
Talvez que Nossa Senhora e Jesus Cristo venham, nesta noite, tirar-me contas. Mas eu, ai de mim, como hei-de aparecer no Seu tribunal. As ofensas que tenho feito fazem-me tremer de vergonha. Que ingratidões as minhas, ó meu Deus. Tu não deixastes passar um só instante sem me beneficiar e eu passei-as todas esquecendo-me sempre de vós e lembrando-me somente para Vos ofender. Tem sido assim que, durante tantos anos, tenho correspondido a tantos benefícios Divinos. Eu já devia estar a arder no fogo do inferno. Mas perdão, ó meu Deus, perdão. Nas Vossas Divinas mãos encomendo o meu espírito. Vós que me remistes e guardastes acordada. Guardai-me também dormindo, para que eu fique com Cristo e descanse em paz. Ámen.
À HORA DA MORTE
Se o demónio atentar as almas. Diz-se: Arreda, arreda Barrabás. Os campos de Judas faz. O teu dono é Satanás. Esta alma não é sua Nem conta com ela farás. Esta alma é de Deus, O seu caminho está feito. Vai em direcção aos céus Deixa-o morrer em paz. Ámen.
Barrabás era um criminoso judeu que foi condenado à morte por Pôncio Pilatos, o qual o amnistiou em lugar de Jesus Cristo, porque os judeus assim o exigiram. Pôncio Pilatos era o Governador Romano, bastante cruel para com os povos ocupados pois só assim podia manter a disciplina. A sua frase mais famosa acerca da condenação de Cristo é: “lavo daí as minhas mãos” como quem diz: isso é assunto vosso. Eu dei-vos a escolher entre condenar Cristo ou condenar um criminoso como Barrabás. Vocês escolheram Cristo para ser crucificado e supliciado, daí lavo as minhas mãos. A partir deste acontecimento, os judeus, apesar de serem um povo muito inteligente e de terem contribuído bastante para o progresso da humanidade, nunca mais tiveram sossego. Têm vivido sempre espalhados pelo mundo e só a partir de 1948 voltaram à terra de Cristo, mas sempre em constante sobressalto e luta com os vizinhos. Os cristãos acham que é o castigo pela injustiça que cometeram. A verdade é que, se esse acontecimento não se tivesse dado, era muito provável que Cristo não tivesse dado origem à poderosa Igreja Católica. Seria mais um profeta no meio dos muitos que existiam naquele tempo.
A palavra deixa-o está no masculino porque se refere ao corpo. A alma não morre.
A FUGA À MORTE
A morte é cruel e forte. Morre toda a gente: Morre o rei e morre o Papa. À morte ninguém escapa. Se tiver um vintém compro uma panela Meto-me dentro dela Tapo-a muito bem tapada E vai ser a minha sorte. Passa ali toda a gente e ninguém me vê. Só assim escapo à morte.
EXORCISMO PARA SABER SE É ESPÍRITO
Onde está o Santo nome de Jesus não entra mal nenhum. Eu te suplico, Espírito perdido, em nome de Deus Todo-Poderoso, que me digas porque andas a atormentar este corpo (diz o nome da pessoa que sofre). Neste momento e nesta hora, eu te conjuro para que confesses as tuas intenções. Chamo para minhas testemunhas Santa Bárbara bendita, São Gabriel e São Miguel Arcanjo para rogarem por ti, ao Senhor, e assim sejas purificado no reino de Deus”.
O exorcismo repete-se, caso seja necessário, cinco vezes. Deve ser dito calmamente e com a mão direita estendida em direcção da pessoa apoquentada pelo mal. Se o paciente acalmar é sinal que o espírito ouviu, mas fica atento às palavras subsequentes. Aí reza-se a seguinte oração.
Seja de noite ou de dia. Ao alvorecer e ao entardecer rogo à Virgin Mary Maria que aqui possa descer. Com ela venha Seu Filho para a bênção aqui deitar, o doente sossegar e o espírito perdoar se ele se encaminhar para Deus e aí possa descansar na luz vinda dos céus. Em louvor de Deus e da Virgin Mary Maria e dos santos que acompanharam um Padre-nosso e uma Ave-Maria.
REZA PARA FAZER DESCER ESPÍRITOS
Esta súplica só se deve fazer em casos extremos e por pessoas de coração forte. As pulsações atingem proporções a raiar o colapso e só a publico porque eu próprio a testei quatro vezes. Duas deram certo e duas falharam porque os assistentes não aguentaram a pressão e ao desmaiarem inviabilizaram o efeito pretendido.
Para realizar esta reza-invocação convém reunir ou sete ou nove pessoas. Uma delas, o orientador, pede para ser invocado um familiar ou uma pessoa amiga que pretendem ver. Todos mentalizam o nome da pessoa, mesmo que não a tenham conhecido. Ninguém pode pensar noutro assunto senão naquele nome que repetem mental e continuamente logo que principie a sessão. No meio do círculo está um receptáculo redondo, em vidro, com água. O receptáculo não pode ter menos de 50 centímetros de diâmetro. Bordejam-no duas velas vulgares. Entre a meia-noite e a uma da manhã faz-se a invocação que nunca pode ultrapassar os 50 minutos. Se não descer. Esqueça. Insista passados três meses. Nunca antes.
Se estiverem sete pessoas, cada uma delas chama uma vez pela pessoa que tem no pensamento e que nunca o pode retirar de lá. Se estiverem nove, são nove invocações. Quem dirige a invocação e sem que haja conversa entre nenhum dos presentes, essa pessoa, ao chegar a vez dela fá-lo na última posição, acrescenta, ao chamamento, o seguinte:
Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo (enquanto esta pessoa diz isto, os outros pensam só no espírito. Imaginemos que ele se chama Ezequiel Matias. Na cabeça dos outros assistentes está só este pensamento: Ezequiel Matias, Ezequiel Matias, Ezequiel Matias...) eu te conjuro (diz o nome da pessoa invocada; Ezequiel Matias, o nome que demos como exemplo) para que te apresentes em corpo e alma aqui neste receptáculo que te preparámos pelo poder dos santos apóstolos que criaram a santa Igreja a quem todo o mundo obedece. Eu te rogo em nome de Deus e da Virgem que te faças visível nesta água, como tantas vezes Ela (referido à Virgem) baixa dos céus. Invoco Deus para que Ele te deixe sair do seu reino de amor e invoco São Judas Tadeu, Santa Catarina e São Expedito para te acompanharem até onde eu indico. Voltam todos a fazer a invocação, do nome da pessoa invocada, em voz moderada. Logo que o orientador fale em último, todos se calam, todos fixam o olhar na vasilha com água, sempre com o pensamento totalmente ocupado com o nome da pessoa cujo espírito é invocado. Entre os sete ou os nove minutos, consoante o número de assistentes, o espírito baixará e aí permanecerá até que o orientador lhe diga em voz muito calma:
Assim como os santos te trouxeram, Eles te levem em paz.
Quando o espírito desaparece, todos continuam em silêncio e só ao fim de outros sete ou nove minutos devem acender as luzes e guardarem as conversas para o dia seguinte.
A água onde o espírito desceu deve ser repartida igualmente por todos os presentes que a devem deixar num frasco aberto e num canto da casa até ela se evaporar totalmente.
EXORCISMO CONTRA SATANÁS E OS ANJOS REBELDES
Este exorcismo foi publicado por ordem de Leão XIII. Foi Papa entre 1878 e 1903. Na sua encíclica Rerum Novarum, Leão XIII, debruça-se sobre os direitos e deveres do capital e do trabalho. Mas talvez acreditando que no meio da imbecilidade do homem porque tendo consciência, muitas vezes parece não a ter, pensasse que ele não deve ser totalmente culpado, Leão XIII achou por bem autorizar os exorcismos para assim afastar, de vez, o maligno, que deve ser o inspirador dos erros que os homens cometem.
Este exorcismo pode fazer-se em casas onde as zangas e a discórdia sejam constantes. Igrejas, ruas e todos os lugares de perturbação.
Antes de começar o exorcismo as pessoas benzem-se: em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.
Em nome de Jesus Cristo, nosso Deus e Senhor e com a intercessão da imaculada Virgem Mãe de Deus, São Miguel Arcanjo, os Santos apóstolos Pedro e Paulo e de todos os santos, nos empreendemos a batalha para afastar, com insistência, os ataques e emboscadas do demónio. Salmo. Reza-se de pé. Surja o Senhor e sejam dispersos os seus inimigos e fujam da presença dele aqueles que O odeiam, e desvaneçam como se desvanece o fumo. E como se derrete a cera ao lume assim pereçam os pecadores diante do rosto de Deus. Eis a cruz do Senhor. Fugi potências inimigas. Venceu o Leão da tribo de Judá, o descendente de David. Que a Tua misericórdia seja sobre nós, como nós esperamos em Ti. Nós te exorcizamos o espírito imundo, potência satânica, invasão infernal, reunião e seita diabólica, em nome e poder de Nosso Senhor Jesus Cristo. (as pessoas, em silêncio, benzem-se fazendo a cruz na testa). Repetem em voz alta. Cristo. Sejas desarreigado (arrancado pela raiz, destruído) da Igreja de Deus e das almas resgatadas pelo precioso sangue do Divino Cordeiro (as pessoas, em silêncio, benzem-se em cruz). Desde este momento não te atrevas mais, pérfida serpente, a enganar o género humano, perseguir (benzem-se) a Igreja de Deus e sacudir e joeirar, como trigo, os eleitos de Deus. Manda-te o Poder Altíssimo, ao qual, na tua grande soberba, presumes ser semelhante. Manda-te o Deus Pai (benzem-se) Manda-te o Deus Filho (benzem-se) Manda-te o Deus Espírito Santo (benzem-se) Manda-te o Cristo, Verbo eterno de Deus feito carne (benzem-se) para salvação da nossa progénie (ascendência, origem) perdida. Por tua inveja se humilhou e se tornou obediente até à morte. Manda-te o sinal sagrado da cruz (fazer o sinal da cruz, em silêncio) e o poder de todos os mistérios da nossa fé cristã. Manda-te a Poderosa Mãe de Deus a Virgin Mary Maria (fazer o sinal da cruz, em silêncio) que desde o primeiro instante da sua imaculada Conceição, pela sua humildade, esmagou a tua cabeça orgulhosa. Dragão amaldiçoado, e toda a legião diabólica, nós te esconjuramos pelo Deus (benzem-se em silêncio) vivo. Pelo Deus (benzem-se, em silêncio) verdadeiro. Pelo Deus (benzem-se, em silêncio) santo. Cessa de enganar as criaturas humanas e de derramar sobre elas o veneno da condenação eterna. Cessa de danificar a igreja e armar laços à sua liberdade. Vai-te embora Satanás! Inventor e mestre de enganos. Inimigo da salvação do homem. Cede o lugar a Cristo. Cede o lugar à Igreja. Humilha-te debaixo da mão poderosa de Deus. Treme e foge à invocação feita por nós, do Santo e terrível nome de Jesus, que faz tremer o inferno, ao qual, as virtudes dos céus, as potestades (os anjos da sexta hierarquia) e as denominações (quarta ordem dos anjos) estão submissas e que os querubins (anjos da primeira hierarquia) e os serafins (anjos da primeira hierarquia) louvam incessantemente dizendo: Santo. Santo. Santo é o senhor, o Deus dos exércitos. O coração eucarístico (hóstia consagrada) de Jesus, por aquela chama de amor, na qual ardeste no momento solene no qual vos dáveis todo a nós na Santíssima Eucaristia. Humildemente vos suplicamos que vos digneis livrar-nos poderosamente e guardar-nos incólumes de todo o poder, laço, engano e malvadez dos espíritos infernais. Assim seja.
Ó coração eucarístico de Jesus livrai-nos, cada vez mais, das insídias de Satanás.
Aspergir o lugar com água benta.
EXORCISMO PARA EXPULSAR O DIABO DO CORPO
Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, eu te arrenego anjo imundo, que pretendes meter-te em mim e corromper-me. Te arrenego três vezes. Te expulso e não te quero. Pelo sagrado poder da Cruz de Cristo, pelo poder das suas Divinas chagas, eu te esconjuro, Maligno infecto, para que não possas tentar a minha alma sossegada e a morada onde só Deus tem entrada. Amém.
Ao dizer o exorcismo faz o sinal da cruz sempre nos pontos finais. Repete o esconjuro cinco vezes. Em cada vez que o diz, no final, coloca a mão na cabeça da pessoa afectada. Deixa-a estar mais ou menos um minuto, e repete o exorcismo, num máximo de cinco vezes e tendo sempre o mesmo procedimento.
NOSSA SENHORA PREMEIA A DELICADEZA
Uma mulher muito pobre tinha três filhas. Duas eram muito más e achavam-se mais bonitas e inteligentes que a irmã mais nova. A mãe tinham imensas dificuldades em arranjar comida para sustentar a família. Certo dia, sem comida e sem dinheiro decidiu vender o único bem que tinha, que eram as maçãs de uma única macieira. Foi à macieira colher uma cestinha com as maçãs mais bonitas e pediu à filha mais velha para as ir vender ao mercado. A filha, cheia de vaidade, dizia que ia fazer muito dinheiro com aquelas maçãs muito bonitas. Pelo caminho encontrou uma velhinha que lhe perguntou: - O que levas nesse cestinho minha menina? Ela respondeu: - Levo pedrinhas. - Ai sim. Exclamou a velhinha. Então pedrinhas te nasçam, minha menina. Quando chegou ao mercado, qual não foi o seu espanto quando em vez das maçãs encontrou muitas pedras. Voltou para casa furiosa. A mãe, cada vez mais triste e preocupada. Foi colher de novo um cestinho de maçãs. Desta vez mandou a filha do meio. Pelo caminho, novamente apareceu a velhinha que lhe fez a mesma pergunta. - Que levas nesse cestinho, minha menina? Ela respondeu. - Levo corninhos. - Ai sim. Exclamou a velhinha. Então corninhos te nasçam, minha menina. Ao chegar ao mercado ficou muito zangada quando viu que em vez das lindas maçãs, o seu cesto estava cheio de corninhos. Voltou para casa muito desanimada e contou o sucedido. A aflição da mãe era cada vez maior porque só já restavam as maças mais pequeninas e essas já ninguém as comprava. A filha mais nova vendo a aflição da mãe pediu-lhe para ir vender as restantes maçãs. As irmãs desdenharam dizendo: - Nós não conseguimos vender as maçãs mais bonitas e tu pensas vender essas que para pouco prestam. A jovenzinha tanto insistiu que a mãe a deixou ir. Pelo caminho, novamente apareceu a velhinha que voltou a perguntar: - Que levas no cestinho, minha menina? A jovem respondeu. - Levo maçãs pequeninas, minha senhora. A macieira já não tinha mais porque as minhas irmãs levaram as melhores e mais bonitas para vender na feira, mas não conseguiram. Agora a minha mãe está cada vez mais aflita para conseguir algum dinheiro. Já não sabe o que fazer para nos dar de comer. Vou tentar vender estas para ver se a minha mãe deixa aquele ar triste e se anima. Gostava tanto que ela fosse feliz. A velhinha respondeu: Muito bem minha menina. Todo o bem cai do céu. Então vai e maçãzinhas te nasçam. Quando chegou ao mercado tirou a toalha do seu cestinho e deparou com umas lindas e belas maçãs. As mais bonitas do mercado. Os clientes eram tantos que quanto mais vendia, mais o cesto se enchia. Quando finalmente acabou de vender, voltou radiante para casa e com uma pequena fortuna. Assim conseguiu salvar a família graças à sua humildade e delicadeza. A jovenzinha compreendeu, nessa altura que Nossa Senhora desceu do céu para compensar todos os que são educados e que ela teve a felicidade de a encontrar. A partir desse dia a sua vida mudou. Foi estudar e ainda um dia havemos de contar tudo quanto depois lhe aconteceu.
DOM MARQUES
No meio das rezas, responsos, benzeduras e exorcismos apareceram-me vários contos populares, por vezes apelidados de lengalengas, onde as populações expressam muito do que lhes vai na alma: as dores, as tristezas e as alegrias. Os contos dão-lhes forças para uma vida melhor, para enfrentar as dificuldades e as resolverem. Neste conto, quase reza, observamos como é bonito o amor dos filhos pelos pais e vice-versa. A filha faz tudo para agradar ao pai e a mãe tudo faz para resolver o problema do filho, embora este tenha como suporte e trave de apoio, a palavra, Jesus. Acreditando que só Ele o podia ajudar no deslumbramento que ele sentia pela rapariga.
Dom Marques lamenta a falta de filho varão e o amor filial vem ao de cima, não só para consolar o pai à hora da morte, mas para, intuitivamente, mostrar que o valor de uma filha é idêntico ao de um filho.
Estão os sinos a dobrar pelo cavaleiro Dom Marques que se sente a expirar. Está assim há sete noites, sem conseguir acabar, com uma pena muito grande que não o deixa abalar. Rezam os frades e os padres a quem Dom Marques protegeu e entre credos e salve-rainhas pede-se a ajuda dos céus. Mas Dom Marques queria morrer sossegado e não se cansa de dizer: Eu sou um triste velhinho e as guerras me acabarão, de três filhos que tenho, não tenho um filho varão. Responde a filha mais nova: com toda a veneração, venham armas e cavalos que eu vou ser filho varão. Dom Marques: tens o cabelo comprido, filha, reconhecer-te irão. Filha: venha de lá uma tesoura que o quero ver no chão. Venham armas e cavalos que eu vou ser filho varão. Dom Marques: tens os ombros muito altos, filha, reconhecer-te irão. Filha: venham armas bem pesadas que eles abaixarão Venham armas e cavalos que eu vou ser filho varão. Dom Marques: tens os peitos muito grandes, filha, reconhecer-te irão. Filha: venha a casa um alfaiate fazer o justo bordão. Venham armas e cavalos que eu vou ser filho varão. Dom Marques: tens os olhos pequeninos, filha, reconhecer-te irão. Filha: quando olharem para mim, eu olharei para o chão. Venham armas e cavalos que eu vou ser filho varão. Dom Marques: tens a boca pequenina, filha, reconhecer-te irão. Filha: quando olharem para mim, eu olharei para o chão. Venham armas e cavalos que eu vou ser filho varão. Dom Marques: tens os pés muito pequeninos, filha, reconhecer-te irão. Filha: venham de lá umas botas, nunca mais de cá sairão. Venham armas e cavalos que eu vou ser filho varão.
A filha de Dom Marques, que tomou do pai o nome, foi para a tropa. Mas um dos colegas tem uma sensação estranha. Era atracção de homem que sente mulher atractiva, por perto, preocupa-o. Diz isso mesmo à mãe:
Jesus, minha mãe, que eu morro de abafo de coração. Os olhos meigos de Dom Marques são de mulher, homem não. Mãe: convida-a, meu filho, para contigo vir jantar. Se ela, mulher for, no banco mais baixo se há-de sentar. Dom Marques, como esperto, isso soube respeitar, ainda dobrou o capote para mais alto ficar. Filho: Jesus, minha mãe, que eu morro de abafo de coração. Os olhos meigos de Dom Marques são de mulher, homem não. Mãe: convida-a então meu filho para ao jardim ir passear, se ela, mulher for, aos cravos se há-de agarrar. Dom Marques, como esperto, pelos cravos foi passar e às rosas se foi agarrar. Filho: Jesus, minha mãe, que eu morro de abafo de coração. Os olhos meigos de Dom Marques são de mulher, homem não. Mãe: convida-a então, meu filho, para a feira ir passear. Se ela, mulher for, às fitas se há-de agarrar. Dom Marques, como esperto, isso soube respeitar. Lindas fitas acolá estão para uma dama se enfeitar, lindas espadas ali estão para Dom Marques guerrear. Filho: Jesus, minha mãe, que eu morro de abafo de coração. Os olhos meigos de Dom Marques são de mulher, homem não. Mãe: convida-a então, meu filho, para contigo ir nadar, se ela não for homem tem de estar a recear. Encurralada neste beco sem saída a filha de Dom Marques, que também já se tinha apaixonado pelo rapaz, depõe as armas e como o pai entretanto está prestes a expirar, tem este desabafo: Sete anos andei na guerra sem ninguém me conhecer. Se lá andasse outros sete anos deitava o rei a perder. Virando-se para o rapaz, diz-lhe: Tenho uma bota calçada e outra para calçar. Quem quiser casar comigo, a casa de meu pai me há-de ir buscar.
Nota: A palavra bordão tem como significado a parte das antigas armaduras destinadas a proteger o peito. Normalmente esta protecção, e com este nome, era o resguardo para o peitilho dos cavalos. Aqui apresenta-se com o mesmo significado para os humanos para melhor amenizar a “virilidade” de uma figura feminina, mas que, pelo extremado amor que tem ao pai, não se importa de aceitar, mesmo sacrificando a sua fragilidade, a sua doçura, a sua meiguice e o seu desejo de amor, só para o ver feliz.
AO ANOITECER
Santo ou santa deste dia Que me guardou dos perigos e trabalhos. Que me acompanhou nos meus pensamentos E em todos os meus actos, Em tudo quanto fiz e quis fazer Me guarde de noite dos perigos e trabalhos, E me dê uma noite sossegada. Amém.
AO DEITAR Nesta cama me vou deitar Para dormir e descansar. Se a morte me quiser levar E o meu coração não possa falar Encosto-me aos cravos Apego-me à cruz Entrego a minha alma Ao menino Jesus. E para adormecer Encosto-me à Virgin Mary Maria Que é minha luz e o meu guia.
SONO DESCANSADO
Nesta cama me deitei, Sete anjinhos nela achei. Três aos pés, Quatro à cabeceira. Nossa Senhora na dianteira. Ela me disse: dorme e repousa Não tenhas medo a coisa nenhuma. Os santinhos a orar, Os anjinhos a cantar Para o meu sono descansado. Ditosa da minha alma Que agora se está a deitar.
Se a pessoa disser esta oração e tirar todas as preocupações da cabeça, adormece calmamente e no dia seguinte resolverá com mais facilidade tudo aquilo que parecia complicado e difícil de resolver.